Homem vai a um cinema alternativo, apaixona-se por uma mulher misteriosa e se vê envolto em um emaranhado de situações obscuras envolvendo crimes, chantagens e segredos guardados a sete chaves. Após reunir pistas e interpretá-las para desvendar o mistério no qual está imerso, o homem descobre algo extremamente surpreendente sobre a Dama do Cine Shangai.

A Dama do Cine Shangai  é um premiado filme brasileiro de suspense, originalmente lançado em 1987, dirigido por Guilherme de Almeida Prado e estrelado por Maitê Proença, Antônio Fagundes, José Mayer e Paulo Villaça.

O maneirismo que caracterizou boa parte da cinematografia mundial a partir da segunda metade dos anos 1970, teve presença significativa na produção brasileira dos anos 1980, sobretudo no que diz respeito ao cinema paulista. O declínio do cinema moderno, mas também o fracasso do projeto de brasilidade no cinema, que nunca teve tanta força em São Paulo, acabou favorecendo o surgimento de filmes brasileiros que dialogam fortemente com os gêneros consagrados em Hollywood, e tão fortemente combatidos pelos cinemanovistas. São filmes associados aos  estilo néon-realismo, produções que se caracterizam pelos ambientes urbanos, noturnos e com muitas luzes e letreiros de neón. O termo faz referência irônica ao neorrealismo italiano, estilo que influenciou fortemente o cinema novo brasileiro.

Em A Dama do Cine Shanghai, grande exemplar do néon-realismo, o gênero americano Noir é escolhido como fórmula para a discussão do caráter ilusionismo do cinema, o que acaba sendo um grande elogio a esta faceta cinematográfica. O filme tem um grande trabalho com estilização, cores, fotografia e uma aura de mistério que acompanha uma trama que só poderia ter lugar na ficção. Este premiado filme de Guilherme de Almeida Prado é um exemplo de como o cinema brasileiro é capaz de dialogar com os gêneros cinematográficos de uma maneira equilibrada, sem precisar ser puro pastiche do cinema americano e nem tampouco assumir um caráter iconoclasta que acaba por desperdiçar o produtivo diálogo entre os filmes brasileiros e os gêneros cinematográficos. Recomendo incondicionalmente.


Título Original: A Dama do Cine Shanghai aka The Lady from the Shanghai Cinema (1987)
Cor: Colorido
Região do DVD: Todas
Idiomas / Sistema de Som:
 
Português - Dolby Digital 2.0

Formatos de Tela: Widescreen


Homem herda a antiga mansão de seu tio, um ocultista que acabara de falecer, e se muda com sua família para o local. Logo nos primeiros dias em seu novo lar, a família percebe que a mansão é mal assombrada e que um misterioso visor possibilita ver os fantasmas que assombram a casa.

13 Fantasmas (13 Ghosts) é um filme estadunidense de Horror, originalmente lançado em 1960, dirigido por William Castle e estrelado por Charles Herbert, Jo Morrow e Martin Milner.

Como não poderia ser diferente, esta é mais uma das produções de William Castle em que o realizador faz uso de seus famosos "truques" para chamar a atenção do público e lotar as salas de cinema. Com ideias sempre criativas para o lançamento de cada um de seus filmes, Castle transformava as exibições em verdadeiros eventos.

Em 13 Fantasmas, o truque consistia em poder enxergar os fantasmas do filme por meio de um óculos colorido distribuído ao público, que poderia optar pelo uso de duas lentes: uma delas era destinada aos "corajosos" que desejavam ver os fantasmas; a outra era para pessoas cardíacas ou sensíveis a cenas fortes de assombração. 13 Fantasmas praticamente criou um subgênero de filmes de assombração, fórmula que seria repetida à exaustão por dezenas de filmes subsequentes, influenciando, inclusive, a premissa do famoso desenho animado Scooby-Doo. Recomendo incondicionalmente.


Título Original: 13 Ghosts (1960)
Cor: P & B
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:

Dublado em Português - Estéreo
Inglês - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Fullscreen
 
Dezesseis anos após perder mulher e filha em um trágico sequestro, um rico empresário encontra uma moça idêntica a sua esposa e apaixona-se novamente. Às vésperas de seu casamento, o homem encontra-se novamente confrontado com o seu mais terrível pesadelo: sua noiva é sequestrada e ele fará de tudo para que a tragédia não se repita.

Trágica Obsessão (Obsession) é um filme estadunidense de suspense, originalmente lançado em 1975, dirigido por Brian De Palma e estrelado por Cliff Robertson, Geneviève Bujold e John Lithgow.

A partir da segunda metade da década de 1970, e sobretudo na década seguinte, os jovens cineastas que iniciavam suas carreiras se depararam com um problema histórico no cinema: Como filmar de maneira minimamente original após 80 anos de intensa cinematografia? A sensação era de ter chegado tarde demais. A Mise em scène clássica havia atingido o seu auge com os grandes mestres no período clássico e estava em crise. A energia e criatividade  do cinema moderno, qua havia implodido as bases do cinema clássico, dava sinais de esgotamento. A imagem cinematográfica havia perdido a sua inocência, filmar se tornou um martírio.

É neste instante que é identificado na História do cinema o período Maneirista (termo emprestado da teoria da arte), momento em que os cineastas se voltam para o período clássico do cinema, buscando resgatar os grandes mestres da sétima arte, dando-lhes contemporaneidade. Filmar "a maneira" dos mestres, conferindo-lhes uma nova roupagem era uma forma de sair do marasmo a que se encontrava a sétima arte. O período foi profícuo e lançou dezenas de realizadores talentosos, configurando-se como um momento de transição entre o cinema moderno e o contemporâneo.

Trágica Obsessão foi um dos primeiros filmes maneiristas, e o mestre evocado é o grande Alfred Hitchcock, mais precisamente o clássico Um corpo que cai (1958). De maneira primorosa, Brian de Palma atualiza o palco de representações que marcaram o clássico de Hitchcock  e "restaura" toda a trama e o suspense hitchcockiano. São belíssimas as metáforas presentes no filme e que sempre nos remetem à obsessão de Brian de Palma em recriar a obra de Hitchcock, obsessão esta que culminaria com o clássico Dublê de Corpo (1984). Recomendo incondicionalmente.


Título Original: Obsession (1976)
Cor: Colorido
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
 

Inglês - Dolby Digital 5.1
Formatos de Tela: Widescreen


A Lista de Filmes foi atualizada, para conferir clique no link abaixo:

 LISTA DE FILMES ATUALIZADA - 01 - 10 - 2017

 CLIQUE AQUI PARA CONFERIR A LISTA DE FILMES

 OU PELO LINK:

 Lista de Filmes completa com todas informações no "formato" EXCEL que abre com o MICROSOFT OFFICE EXCEL:

 CLIQUE AQUI para realizar o Download da Lista

 DÚVIDAS OU PEDIDOS PELO E-MAIL: thehellbusiness@gmail.com


* TODOS COM LEGENDAS EM PORTUGUÊS E/OU DUBLADOS!
* DISPONÍVEL NA LISTA OS MAIORES CLÁSSICOS DO CINEMA!
* HORROR/ TRASH/ SUSPENSE/ SCI-FI/ EXPLOITATION/ CLÁSSICOS E MUITO MAIS!
* POSSO GARANTIR QUE AQUI ESTÃO OS MAIORES CLÁSSICOS DE TODOS OS TEMPOS E OS FILMES MAIS RAROS E EXCLUSIVOS!!

* Acompanhe as atualizações da lista através do Site:

   http://www.hellbusiness.com

* Curta a página do HELL BUSINESS no Facebook:
   CLIQUE AQUI para conferir a página do HELL BUSINESS no Facebook.

Abraço,
Hell Business.
Em alto mar para realização de uma campanha publicitária, duas jovens modelos se deparam com um antigo galeão holandês do século XVI e decidem adentrar o navio. Após perceber que as modelos desapareceram, o empresário das moças reúne um grupo de pessoas para procurá-las, dentre elas um pesquisador que acredita que as jovens foram capturadas por um galeão fantasma que se situa em outra dimensão e é tripulado por antigos cavaleiros templários satanistas.

O Galeão Fantasma (El Buque Maldito), também conhecido como Horror of the Zombies e The Blind Dead 3, é um filme espanhol de Horror, originalmente lançado em 1974, dirigido por Amando de Ossorio e estrelado por Maria Perschy, Jack Taylor e Bárbara Rey.

Este grande clássico do cinema de Horror europeu faz parte de uma série de quatro filmes dirigidos por Amando de Ossorio e que ficou conhecida como a quadrilogia dos mortos cegos. Os outros três filmes que completam a quadrilogia são A Noite do Terror Cego (1972), O Retorno dos Mortos-Vivos (1973) e A Noite das Gaivotas (1975). A premissa que conecta os filmes diz respeito aos sinistros cavaleiros templários satanistas que tripulam um navio fantasma a navegar em uma dimensão paralela. Sinta a atmosfera sombria e os efeitos visuais sinistros em mais um clássico do cinema de Horror. Recomendo incondicionalmente.


Título Original: El Buque Maldito aka The Ghost Galleon (1974)
Cor: Colorido
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
Espanhol - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Widescreen


Quinze anos após o desaparecimento do temível Jack o Estripador, Londres passa a ser aterrorizada por brutais assassinatos em série. Em meio aos acontecimentos, um renomado psiquiatra começa a suspeitar que sua paciente, uma jovem psicologicamente perturbada, pode estar por trás dos terríveis assassinatos.
 

Nas Mãos do Estripador (Hands of the Ripper) é um filme britânico de Horror, originalmente lançado em 1971, dirigido por Peter Sasdy, produzido pela lendária Hammer Films e estrelado por Eric Porter, Angharad Rees e Jane Merrow.

Considerado o filme mais violento produzido pela Hammer Films, Hands of the Ripper é também uma  das produções menos conhecidas da produtora inglesa. Com um suspense eletrizante e um roteiro inspirador, o filme seguramente figura entre os melhores da Hammer na década de 1970, período em que o Estúdio inglês deixava sua fase clássica para enveredar nos caminhos do cinema moderno. Esta fase ficou marcada pela presença de erotismo e um forte grau de violência gráfica nos filmes. Hands of the Ripper é um ótimo exemplar deste que foi o período mais polêmico da lendária Hammer Films. Recomendo incondicionalmente.



Título Original: Hands of the Ripper (1971)
Cor: Colorido
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
Dublado em Português - Estéreo
Inglês - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Widescreen

Quando o dinheiro para um fundo de esportes desaparece, o detetive mais famoso de Londres, Sherlock Holmes, e seu fiel escudeiro, o Dr. Watson, embarcam em uma jornada investigativa para solucionar o problema. No decorrer da investigação, Holmes descobre o esconderijo do terrível Professor Moriarty e inicia-se então uma caçada cheia de suspense e surpresas.

Sherlock Holmes (Sherlock Holmes), também conhecido como Moriarty, é um filme estadunidense, originalmente lançado em 1922, dirigido por Albert Parker e estrelado por John Barrymore, Roland Young e Carol Dempster.

Esta preciosidade do cinema silencioso ficou por muito tempo desaparecida, até que no inicio da década de 1970 alguns rolos do filme foram encontrados. A partir de então, iniciou-se um dispendioso trabalho de restauração que culminou no lançamento do DVD do filme em 2009. Na década de 1920 o cinema silencioso experimentava seu ápice, e o desenvolvimento da linguagem apontava novos horizontes expressivos. Para muitos especialistas, o advento do cinema sonoro, em 1927, ceifou a linguagem expressiva que o cinema silencioso estava desenvolvendo. Polêmicas à parte, a década de 1920 é realmente especial para o cinema, com filmes que até hoje povoam o topo das listas dos melhores filmes de todos os tempos.

Sherlock Holmes (1922) foi inspirado em uma famosa peça de teatro de William Gillette, que por sua vez inspirou-se na obra de Arthur Conan Doyle. Os pontos fracos do filme são as excessivas e por vezes desnecessárias cartelas de diálogos, e o roteiro que parece se perder nas várias linhas que apresenta. Sherlock Holmes traz influências dos grandes clássicos do Expressionismo alemão, principalmente no que diz respeito à iluminação, que é um dos pontos altos do filme. Recomendo incondicionalmente.


Título Original: Sherlock Holmes (1922)
Cor: P & B
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
Trilha Sonora - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Fullscreen


Uma força misteriosa e mortal viaja pela corrente elétrica  e aterroriza, de casa em casa, os moradores de um bairro pacato de Los Angeles, tomando conta de todos os aparelhos elétricos e transformando-os em máquinas assassinas. Para salvar sua família, um garoto terá de travar uma batalha contra aquela força maligna.

Choque Mortal (Pulse) é um filme estadunidense de Horror e Ficção Científica, originalmente lançado em 1988, dirigido por Paul Golding e estrelado por Cliff De Young, Roxanne Hart e Joey Lawrence.

Desde os seus primórdios que o cinema de Horror olha com desconfiança para os progressos tecnológicos, apresentando mensagens críticas em relação aos avanços da ciência. Neste tipo de filme, a ciência é o verdadeiro monstro, seus caminhos são obscuros, suas consequências macabras. Choque Mortal segue esta tendência, apresentando um Horror moderno, inteligente, e muito bem executado. À primeira vista, a premissa do filme pode parecer apenas mais uma das dezenas de filmes a perseguir o sucesso de Poltergeist, mas o filme de Paul Golding supera todas as expectativas e se destaca como um dos grandes filmes de Horror e Sci-Fi dos anos 1980. Recomendo incondicionalmente.




Título Original: Pulse (1988)
Cor: Colorido
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
Inglês - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Fullscreen


Sessão Dupla com dois clássicos do cinema Sci-Fi de baixo orçamento!

Em A Primeira Espaçonave em Vênus, um misterioso artefato alienígena é encontrado na Terra e pesquisas indicam que o objeto é de origem venusiana. A partir de então, uma missão rumo ao planeta Vênus é criada e um grupo de astronautas segue para uma obscura viagem interplanetária. O Monstro de Vênus narra a história de um jovem cientista que entra em contato com um alienígena na intenção de que o extraterrestre resolva os problemas da Terra. O que o cientista não sabe, no entanto, é que o alien têm um plano macabro de dominação dos humanos.

A Primeira Espaçonave em Vênus (First Spaceship On Venus), também conhecido como The Silent Star, é um filme de ficção científica co-produzido pela Alemanha Oriental e Polônia, originalmente lançado em 1960, dirigido por Kurt Maetzig e estrelado por Yôko Tani, Oldrich Lukes e Ignacy Machowski.

O Monstro de Vênus (Zontar, The Thing From Venus), é um filme estadunidense de ficção científica, originalmente lançado em 1966, dirigido por Larry Buchanan e estrelado por John Agar, Susan Bjurman e Tony Huston. Trata-se de um remake do filme It Conquered the World (1956), de Roger Corman.

Com o gradual declínio da indústria de cinema de Hollywood na década de 1960, o cinema de baixo orçamento passou a se fortalecer, e várias foram as produtoras independentes que surgiram e se dedicaram a produzir conteúdo destinados a públicos segmentados e à televisão. Neste período, tanto as sessões duplas de filmes de Horror exibidos em Drive-Ins a preços modestos quanto produções filmadas em 16 mm para integrar os pacotes televisivos se tornaram a nova tendência. É neste contexto que surgem produções notáveis de Horror, que acabaram se tornando filmes cultuados e memoráveis, como é o caso de A Primeira Espaçonave em Vênus e O Monstro de Vênus. Recomendo incondicionalmente.


Título Original: First Spaceship On Venus / Zontar, The Thing From Venus (1960 - 1966) 
Cor: Colorido
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
 

Inglês - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Fullscreen





O lendário detetive Sherlock Holmes e seu fiel escudeiro Dr. Watson passam a investigar misteriosos roubos de relíquias egípcias. Quando Holmes interpreta as pistas, chega a  conclusão de que um famoso arqueólogo pode estar por trás dos crimes.

Sherlock Holmes e o Colar da Morte (Sherlock Holmes und das Halsband des Todes), também conhecido como Sherlock Holmes and the Deadly Necklace, é um thriller germano-ítalo-francês, originalmente lançado em 1962, dirigido por Terence Fisher e estrelado por Christopher Lee, Hans Söhnker e Hans Nielsen.

Esta é a segunda das seis adaptações de Sherlock Holmes vividas por Christopher Lee no cinema e mais uma das várias parcerias entre o memorável ator inglês e o mestre Terence Fisher, o mais profícuo e talentoso diretor da lendária Hammer Films. Fisher dirigiu o clássico O Cão dos Baskervilles (1959), primeira adaptação da obra de Arthur Conan Doyle a contar com a participação de Chris Lee. A visceralidade, uma das marcas de Terence Fisher, está presente aqui, portanto, não espere uma história convencional de Sherlock Holmes, e sim uma aventura macabra bastante próxima do cinema  de Horror. Recomendo incondicionalmente.






Título Original: Sherlock Holmes und das Halsband des Todes aka Sherlock Holmes and the Deadly Necklace (1962)
Cor: P & B
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
Alemão - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Widescreen


Federico Fellini, Louis Malle e Roger Vadim, três mestres do cinema europeu moderno, se reúnem para filmar três contos macabros inspirados na obra de Edgar Allan Poe. Em Metzengerstein, Roger Vadim apresenta o universo sombrio de uma Condessa libertina que vive uma relação de amor e ódio com seu primo e será capaz de cometer as maiores atrocidades para satisfazer seus desejos perversos. William Wilson, de Louis Malle, conta a história de um jovem sádico que sente prazer em torturar pessoas inocentes, até se deparar com o seu duplo, um homem misterioso que reprime Wilson quando este pratica crueldades. Por fim, Fellini apresenta Toby Dammit, um astro inglês do cinema que, em sua estadia em Roma, irá experimentar as mais variadas viagens alucinógenas, ao mesmo tempo em que é atormentado por visões macabras.

Histórias Extraordinárias (Histoires extraordinaires), também conhecido como Tales of  Mystery and Imagination e Spirits of the Dead, é uma antologia italo-francesa de Horror, originalmente lançada em 1968, com direção de Federico Fellini, Louis Malle e Roger Vadim, e estrelado por Jane Fonda, Brigitte Bardot, Alain Delon e Peter Fonda.

Esta inusitada preciosidade do cinema de Horror traz três dos maiores realizadores do cinema moderno europeu e ainda conta com as musas Jane Fonda, Brigitte Bardot e os astros Alain Delon e Peter Fonda, atrizes e atores que no final da década de 1960 viviam o auge de suas carreiras. Roger Vadim, cineasta associado ao movimento da nouvelle vague, é autor do clássico E Deus criou a mulher (1956), filme que alavancou a carreira da sua então esposa Brigitte Bardot, tornando-a um fenômeno mundial. Metzengerstein, conto dirigido por Vadim nesta antologia, constrói um universo de luxúria, paixão, loucura e violência por meio do ambiente e de elementos naturais, além de trazer toda a sensualidade da belíssima Jane Fonda. William Wilson, de Louis Malle, autor de obras primas como Trinta anos esta Noite (1963), constrói o suspense com maestria e conta com a ótima atuação de Alain Delon. Os filmes de Vadim e Malle, cada qual ao seu modo, são bastante fiéis aos contos aos quais foram inspirados. Já Toby Dammit, do mestre Fellini, como era de se esperar, tem no conto de Poe apenas seu ponto de partida, criando um universo propriamente Felliniano. Certa vez disse Fellini "Fazer um filme é como fazer uma viagem, mas dessa viagem só me interessa a partida, não a chegada". Esta frase resume bem esta maravilhosa adaptação Felliniana de Poe. Toda a bela e surreal cenografia do filme representa o estado interior de Toby Dammit, um astro de cinema vivendo intensamente todo o universo psicodélico da década de 1960. Histórias Extraordinárias é mais uma obra prima do cinema de Horror. Recomendo incondicionalmente.


Título Original: Histoires extraordinaires aka Spirits of the Dead (1968)
Cor: Colorido
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:
 

Inglês e Francês - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Widescreen


A jovem Charlie vive uma vida simples e monótona em uma pequena e pacata cidade da Califórnia. Tudo começa a mudar com a chegada de seu tio Charlie, um homem misterioso que irá transformar para sempre a vida de sua sobrinha. 

A Sombra de uma Dúvida (Shadow of a Doubt) é um filme estadunidense de suspense, originalmente lançado em 1943, dirigido por Alfred Hitchcock e estrelado por Teresa Wright, Joseph Cotten e Macdonald Carey. O roteiro do filme foi co-escrito por Alma Reville (esposa de Hitchcock), Thornton Wilder e Sally Benson, e foi indicado ao Oscar de melhor roteiro original.

O senso comum diz que Alfred Hitchcock é o mestre do suspense. Uma análise mais atenta à obra do cineasta evidenciará que Hitchcock, para além de ser o mestre de um gênero, é, na verdade, um dos grandes mestres do cinema em todos os tempos. Hitchcock  foi determinante na transição do cinema clássico para o moderno em Hollywood.

Antes de Hitchcock, o suspense no cinema, criado por D.W Griffth no início do século XX, era somente a superação de obstáculos físicos, ancorado na montagem paralela: o vilão perseguia a mocinha que, para escapar, tinha que superar obstáculos materiais. Enquanto a mocinha era ameaçada pelo vilão, o herói estava a caminho e o suspense era criado na superação de obstáculos materiais e corrida contra o tempo. No final, as cenas paralelas se convergiam e o herói derrotava o vilão, salvando a mocinha. Este tipo de suspense foi hegemônico até a década de 1930, quando Hitchcock criou o suspense psicológico, muito mais aterrorizante do que o suspense da montagem paralela.

Discípulo de Murnau e herdeiro da tradição formalista clássica, Hitchcock foi elevado à categoria de mestre por ninguém mais ninguém menos do que Jean-Luc Godard, François Truffaut e os artífices da Nouvelle Vague. Na visão destes cineastas, Hitchcock era gênio por construir filmes densos, inteligentes e autorais, mesmo estando inserido no circuito industrial de Hollywood.

Este equilíbrio entre a arte e o produto industrial, algo fundamental para o cinema, é uma das marcas do grande cineasta inglês. Seus filmes eram construídos em pelo menos dois níveis: o primeiro e mais imediato era o da história; e o segundo e mais profundo era o do tema ao qual o diretor se propunha a discutir. Este segundo nível, certamente mais importante que o primeiro, encontra-se na forma do filme.

Seus filmes são verdadeiras aulas de cinema em uma forma cinética na qual importa menos ”o que” será contado do que “o como”. O “o que” é o conteúdo, o “como” é a forma. E é justamente o “como” Alfred Hitchcock conta suas histórias que o coloca como um mestre do cinema. É através do uso cirúrgico da linguagem cinematográfica que Alfred Hitchcock constrói a sua mise-en-scène, trabalhando em um nível em que conteúdo e forma interagem, sendo que está última acaba tendo papel preponderante.

Em sua antológica entrevista a François Truffaut, Hitchcock revelou que A Sombra de uma Dúvida era seu filme favorito, pois adorava levar o mal a uma cidadezinha pequena e pacata. O filme é uma aula de linguagem cinematográfica, e foi um dos mais citados como exemplo de como trabalhar com a linguagem do cinema no clássico livro A Linguagem Cinematográfica, de Martin Marcel. A cena mais emblemática do filme, em que o tio Charlie chega na estação, é um grande exemplo de como a forma do filme é capaz de transmitir ideias e contar a história. Com uma iluminação expressionista, que contribui decididamente para o efeito dramático pretendido, o filme aproxima-se ao gênero Noir, ao mesmo tempo em que faz inúmeras referências ao universo do vampirismo. Na composição das cenas, Hitchcock utiliza movimentos de câmera, planos e ângulos de maneira magistral e que, longe de apenas enquadrar pessoas e objetos, constrói significados e faz aquilo que em Kant é a função da arte: unir o sensível ao inteligível. Recomendo incondicionalmente.

Título Original: Shadow of a Doubt (1943)
Cor: P & B
Região do DVD: Todas
Legenda: Português
Idiomas / Sistema de Som:

Dublado em Português - Estéreo
Inglês - Dolby Digital 2.0
Formatos de Tela: Fullscreen

 
Copyright © 2008 - 2017 Hell Business - O Reduto dos Monstros